Fique por Dentro

A saúde da população negra importa!

Psicólogo com formação na Abordagem Centrada na Pessoa, Luiz Possedonio da Costa Filho.
Publicado em: 27/outubro/20   |   Autor: Luiz Possedonio da Costa Filho

27 de outubro é o Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra. A data busca mobilizar os profissionais de saúde para as demandas específicas da população negra, promovendo a equidade em saúde e estabelecendo ações de cuidado e atenção biopsicossociais. Está também fundamentada na Política Nacional de Saúde Integral da População Negra, instituída pela Portaria n° 992, de 13 de maio de 2009, cujo o objetivo geral é promover a saúde integral da população negra, priorizando a redução de desigualdades étnico-raciais, o combate ao racismo e à discriminação nas instituições e serviços do SUS.

Pensar as vulnerabilidades às quais a população negra está exposta implica compreender as persistentes desigualdades sociais no Brasil, principalmente considerando o racismo estrutural que molda a nossa sociedade. Essas desigualdades apontam as desvantagens referentes ao mercado de trabalho, distribuição de renda, condições de moradia, educação, saúde, violência e representação política que atingem a população negra quando comparada à população branca. 

Mais da metade da população brasileira é negra, mas não há representatividade na mesma proporção em espaços e papéis sociais importantes e não se pode ignorar o impacto disso na autoestima e na estabilidade emocional da população negra. Pensar a saúde mental da população negra é não desconsiderar os efeitos da discriminação racial, os ataques à dignidade humana, o direito ao belo, à intelectualidade e aos padrões sociais econômicos elevados. Essas mazelas deixadas pelo racismo conectam ao sentimento de inferioridade e ampliam as desigualdades sociais. É importante que o profissional de saúde que irá acolher a pessoa negra, tenha empatia e sensibilidade para lidar com as questões raciais e compreender que o racismo estrutural e institucionalizado é um fator significativo de sofrimento psíquico e que permeia todas as áreas da vida.  O acesso e a formação de mais pessoas negras na área da saúde causam um impacto significativo e potente nas relações de ajuda, possibilitando conexões de acolhimento e empatia. Contudo, é importante entender que lutar contra todas as formas de discriminação racial é um dever de toda a sociedade e não apenas da população negra.

Continuar pensando e repensando em políticas públicas efetivas, ter um olhar mais empático, estar disponível para estudar, dialogar e desconstruir estigmas e discursos racistas são pautas importantes para a luta antirracista.


2020 Fundação 1º de Maio. © Todos os direitos reservados.